Como nossos pequenos nos mostram que precisam de ajuda? Eles sabem quando precisam.

Publicado por Lola Sarmento em Papo de mãe

Meu dia a dia há anos, tem sido dedicado a ouvir relatos das mães, professoras de escolas e recentemente acompanho grupos de mães na internet, fora as supervisões de casos. E também como mãe de dois filhos, hoje homens feitos, pude observar o que vamos falar hoje. Eles sabem quando precisam de ajuda!

As preocupações em geral são sempre as mesmas dentre tantas:

-“Meu filho não dorme” (inclusive desde muito pequerrucho), “não come” (não mama) (mesmo quando recém-nascido), “não vai bem à escola”.

- O que fazer?

Enfim outras tantas queixas e relatos ou pedidos de ajuda nos chegam, mas os temas por mais variados que sejam em geral acabam versando sobre os mesmos tópicos, na maioria das vezes, embora os temas possam variar.

Na minha experiência como analista, sempre busquei orientar em primeiro lugar.

-Saber sobre hipóteses orgânicas:

-Procurar o médico e fazer exames, se necessário, enfim ouvir a opinião do especialista.

Quando a saúde física está garantida, passamos então ao inventário emocional.

Pois acreditem:

-Problemas de sono, alimentação e escolares, quando tudo mais está saudável é a maneira que os pequenos encontram de sinalizar que algo com eles não vai bem.

A criança em casa com os pais não sabe expressar seus conflitos numa linguagem compreensiva a eles. E acabam por fazê-lo da forma que podem.

Em geral vão escolher a forma mais eficiente de tocar aquela família em especial:

-Assim, se é uma família que valoriza muito a escola, é lá que a criança vai mostrar sua dificuldade.

-Se a alimentação é um fator muito importante para os pais, é na forma de se alimentar que o pequeno vai apresentar seu problema.

-Se o sono é algo extremamente valorizado na casa, com certeza é aí que a criança vai mostrar alteração.

Acreditem eles são espertos e sensíveis. Conhecem bem os pais que tem e sabem o caminho que devem escolher para se comunicar quando ainda não dominam a linguagem, ou não sabem bem como falar de conflitos, angustias, ansiedades e outras tantas situações que os tira do prumo.

Olhem com desconfiança, ou pelo menos não comprem tão rápido o primeiro livro de autoajuda, ou o primeiro conselho que funcionou com a amiga. Cuidado! Pode funcionar com seu filho, mas as consequências futuras são imprevisíveis.

Lembrem-se: CADA SER HUMANO É ÚNICO. O que funciona para um nem sempre funciona com o outro. Estatísticas são frias e sem sentimentos. O que é feito para a massa pode não servir para seu pequeno.

Quando as crianças chegam ao analista, ou ao psicólogo, que conhecem a sua linguagem, contam através da brincadeira, ou dos desenhos, ou de outras maneiras, exatamente o que tem e onde precisam de ajuda. Sempre sabem qual é, ou quais são seus problemas, só não sabem como os adultos, usar as palavras para expressá-las. Alguns até sabem, mas temem fazê-lo para os pais.

É sempre bom saber que com a ajuda certa, especializada, na hora certa tudo tem jeito!

De Mãe para Mãe: fiquem de olho nos seus pequenos porque melhor do que ninguém eles sabem quando precisam de ajuda!

Um beijo e até a próxima!

Lola Sarmento

Conheça mais sobre o trabalho da Lola Sarmento em: www.facebook.com/groups/pscodivalolasarmento/

Trackback

Lola Sarmento

Lola Sarmento

Trabalho em consultório há mais de 30 anos,com gestantes, mães e seu bebês, adultos, crianças e orientação de pais. Sou formada em psicanálise pela Sociedade Brasileira de Psicanálise Winnicottiana.

Comente