Livro: O MENINO MALUQUINHO

Publicado por Belise Mofeoli em Literatura

Imagem cedida pela Ed. Melhoramentos

O Menino Maluquinho” nasceu três anos antes de mim. Três anos e um mês, na verdade. Quando ele completou nove, ficamos amigos. É que eu morava a uma esquina de uma biblioteca, que, por sinal, estava situada em frente à casa da minha tia-avó Tiana, onde eu ia toda tarde comer algum de seus deliciosos quitutes ou simplesmente conversar e morrer de rir na companhia dela enquanto eu achava engraçadíssimo o fato daquela dulcíssima senhora a minha frente insistir em ter uma  TV em preto e branco. Antes de ir de lá para a casa, eu sempre parava na sessão infantil da Biblioteca Municipal e mergulhava em um novo livro.

Eu havia escutado minha mãe dizer que, quando menina, tinha lido de cabo a rabo TODOS os livros para crianças da biblioteca e, desde que comecei a ler, resolvi: “desafio aceito!” Um dia descobri “O Menino Maluquinho” e, como é uma história rápida, ele passou a ser “aquele livro lá que eu lia sempre antes de ir embora”. Um ritual: eu sentava à mesinha e mergulhava em qualquer livro novo e “O Menino Maluquinho” era sempre o último, para “fechar com chave de ouro”. Li tantas vezes que só anos depois eu comecei a me questionar o porquê de nunca haver pedido para minha mãe comprar um igual para mim. Acho que a graça estava na minha ansiedade em relê-lo ao fim de mais um livro. Eu voltava com uma história a mais e… mais um trecho decorado dele.

Hoje eu me concentro no poder catártico de um dos livros mais lido na minha infância. O Ziraldo é um gênio, isso ninguém questiona. E essa obra é particularmente interessante. Tem tanto movimento! Tanta graça! Os desenhos que o personagem-tema faz nos cadernos, as reflexões, a certeza de ser amado, o saber causar encantamento… Numa página, algo feliz, em outra, um assunto mais sério como, por exemplo, a separação dos pais. O “Menino Maluquinho” não é daquelas leituras melosas para crianças, é algo para os pequenos se orgulharem de conseguirem ler sozinhos “aquele livro cheio de páginas!”

Ano passado (2012) o Ziraldo completou 80 anos e eu fui em quase todos os eventos de São Paulo que comemoravam o sucesso dele e de suas obras e, em especial, a publicação de “O Menino Maluquinho”. Na Bienal do Livro era fácil ver duas gerações de leitores em busca de dedicatórias do autor. Só então parei para pensar nos números: 109 edições e mais de 3 milhões de cópias vendidas do mesmo livro! Qual escritor não almeja um sucesso desses! Quem me dera! Tomara! Ser atemporal é um dom. “O Menino Maluquinho” não está na moda, ele ainda faz sentido.

Para quem está a fim que o filho saia da frente da televisão, fica a minha dica. A primeira coisa que eu pensava depois de cada página dessa obra linda escrita pelo Ziraldo, era o quanto sair para brincar era bom. E que eu tinha que aproveitar. Isso, se eu quisesse crescer e me tornar uma pessoa legal. Eu cresci e, há alguns anos, finalmente, comprei “O Menino Maluquinho”.

Enlouqueçam um pouco às vezes. E até o próximo livro!

Belise Mofeoli

 

Tags:

Trackback

Belise Mofeoli

Belise Mofeoli

Quando a Valeria Guerra me convidou para dar dicas de livros infantis, eu parei, pensei e disse: “Pode ser algo menos careta, como um bate-papo com os pais?” Porque se não fosse, assim, não haveria grandes motivos para esta coluna existir. O que eu queria é discutir literatura infantil de qualidade partindo do ponto de vista da criança que fui. Resolvi botar a pequena Belise no colo e cuidar dela, sabe? Aí ela começou a tomar conta de mim e a me explicar o efeito que cada história fez/faz nela, e que me transformou em alguém que vive da escrita. Depois de tanto pensar e rascunhar possíveis nomes, ao batizar esta coluna de “Grandes Livrinhos que (Re)li”, senti que ia me divertir muito a escrevendo. Tem livros muito bons sendo escritos hoje em dia, contudo, não resistirei a falar também dos mais antigos, que vêm fazendo parte da infância de várias gerações. Afinal, que posso eu fazer se os clássicos são... “clássicos”? Belise Mofeoli é Roteirista, Redatora Publicitária, Roteirista de Audiodescrição.

Comentários (7)

  • Leila Ap. Zendonadi dos Santos

    |

    Olá Belise …parabéns, estou muito feliz com o seu progresso, com suas conquistas, mais uma vez parabéns lindinha …Bjs

    Responder

  • Adri

    |

    Esse livro é um dos que mais lembro na minha infância, adorava também! Acho que toda criança se identifica com esse menino maluquinho!!! Amei o texto!

    Responder

  • Marisa Godoy

    |

    Oi Belise…eu nunca li esse livro mas lendo seus comentários vou providenciar um, pois parece que embora eu seja menininha eu fui um “Menino Maluquinho”…quero comprovar isso…Fica aí uma dica, estou anciosa para ler seu comentário sobre o “Pequeno Príncipe”…bjsssssssssssssss

    Responder

    • Marisa Godoy

      |

      Desculpe-me…leia-se ANSIOSA

      Responder

  • Lucíola H. F. Sassano

    |

    Adorei seu texto, Belise! Parabéns! Muito bem escrito e de uma grande sensibilidade. Bjs

    Responder

  • Luanda

    |

    Ótima dica!!! De fato Ziraldo é gênio!
    Bjoo

    Responder

  • Belise Mofeoli

    |

    Fico MUITO feliz quando vocês colocam seus pareceres. O retorno é importante pra gente, sabe? Bate aquela motivação de continuar… Posso contar com vocês nos próximos posts?

    Responder

Comente