Procura-se curso para ser mãe!

Publicado por Tati Gola em Papo de mãe

A Mamãe Gislene Zucolotto e a sua filhota Stephanie pelos olhos da maravilhosa fotógrafa Dri Bresciani.

Dez, nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, um!!! Pronto, você é mãe!!!

Parece que após uma contagem regressiva como esta, recebemos em nossos braços um pequeno indefeso, cheio de vida, totalmente frágil e dependente dos nossos cuidados.  De um dia para o outro, da noite para o dia, em questão de segundos nossas vidas passam por uma importante transformação.

Já não conseguimos nos ver mais sem este pequenino, que toma os nossos pensamentos e completa nossos corações com um amor transbordante. Não pensamos mais na vida sem a presença dele. Mas, onde está a tecla SAP? Onde encontramos o manual de instruções, que nos garanta as ações certeiras para as melhores decisões?

A cada choro, a cada troca de olhares, entre uma fralda suja e uma noite inteira sem dormir, dando de mama de três em três horas, ou até mesmo aguardando o relógio passar para chegar às três horas da manhã e ver seu filho chegar da balada, a preocupação é a mesma. Filho sai da barriga para entrar na cabeça para nunca mais sair.

Tudo depende de nós, mães. Toda decisão é nossa. Pelo menos acreditamos que seja assim. Até o dia que esse passarinho cresce e bate as asas, voando pelo mundo a fora!

Bom, é isso que queremos, não é? Que eles cresçam e batam as asas? Será?

Bom… Passamos a vida pensando e decidindo por eles: a melhor escola, as melhores roupas, os melhores médicos, a melhor alimentação, o melhor horário para dormir, para acordar, qual esporte devem praticar, etc, etc, etc…

Mas, será que sabemos mesmo o que é melhor para os nossos filhos?

Não encontramos em nenhum lugar respostas precisas para todas essas escolhas! Até procuramos. Lemos, conversamos com amigas, trocamos ideias na escola, na garagem do prédio, no pediatra, mas quem decide e assina embaixo é a MÃE!

E não podemos sentir culpa, pois especialistas dizem que a culpa gera insegurança na educação dos filhos. Não podemos largar e superproteger jamais! Todos sabem e dizem o que não devemos fazer, mas o que deve ser feito… ah, aí é difícil encontrarmos respostas prontas. Até porque cada indivíduo é único e especial e requer cuidados muito particulares, que receitas que dão certo para uns, desandam para outros.

Precisamos abrir os ouvidos dos nossos corações e escutarmos as nossas mais profundas intuições. Somente o verdadeiro amor de uma mãe toma as melhores decisões e quando nossos passarinhos estiverem prontos, voarão! Nos caberá, apenas, (com lágrimas nos olhos de emoção) apreciarmos os seus voos!

Grande beijo e até semana que vem!

Tati Gola

Tags: ,

Trackback

Tati Gola

Tati Gola

Tati Gola,paulista de 35 anos. Mãe de três lindos filhos e uma educadora apaixonada por sua profissão. Idealista e sonhadora, acredita que o amor pode transformar o mundo! Acredita que compartilhar idéias, opiniões, angustias e sonhos faz com que a nossa existência tenha um significado todo especial.

Comente